Minimalismo

7 Razões para começares uma Vida Minimalista

7-razões-para-começares-uma-vida-minimalista

Comecei a simpatizar com o estilo de vida minimalista há alguns anos atrás, mas tenho a noção que sempre fui uma pessoa desapegada aos bens materiais. Mas nunca afirmei ser uma pessoa minimalista, porque dizia que não gostava de fundamentalismos. No entanto, depois de criar o meu próprio minimalismo, passei a aplicá-lo na minha casa, como em todas as áreas da minha vida, e mudei a minha visão sobre a vida. Por isso, venho partilhar 7 razões para começares uma vida minimalista em 2020.

O Minimalismo para mim

Para mim o minimalismo é mais do que deixar a casa organizada. É sim, deixar a cabeça organizada e livre de tralha interior, ao mesmo tempo, a vida sem pessoas e compromissos que não acrescentam valor. Porque o minimalismo dá-nos as ferramentas necessárias para mudarmos a nossa vida e vivermos conscientes do que queremos e não queremos na nossa vida.

7 razões para começares uma vida minimalista em 2020

1. Aprendes a tomar decisões

No início quando abraças o minimalismo como modo de vida, começas sempre por retirar o excesso de objetos que tens em casa. E no processo de destralhar a tua casa ou as tuas roupas, aprendes a questionares-te sobre as coisas que gostas, as coisas que realmente usas/precisa, as coisas que nos dão alegria, etc. E por consequência, começas a fazer essas questões para outras coisas não materiais. O que acaba por te levar a uma mudança de mindset, de forma a abranger mudanças em todas as áreas da tua vida.

Por exemplo, passas a questionar se a companhia de determinada pessoa te traz alegria, se vale pena o tempo e energia investidos em determinados compromissos. Claro que no início, é difícil de tomar determinadas decisões, principalmente quando envolve pessoas e sentimentos. Mas como tudo na vida, com tempo e prática começa a ser mais fácil.

2. Percebes os teus valores

O minimalismo ajuda-te a perceber o que traz alegria à tua vida e o que realmente importa para ti. É um processo individual de autodescoberta, porque começas a questionar todas as coisas à tua volta, pessoas, sentimentos, compromissos. Começas a perceber quais são os teus principais valores, pois libertas-te de tudo o que não acrescenta valor à tua vida.

Podes começar por destralhar o teu armário e definir um armário cápsula, por exemplo, começas a pensar em como queres criar o teu estilo pessoal, no que gostas de vestir e o que te faz sentir bem. E isso vai levar-te a questões mais importantes, porque deixas de pensar no que está na moda e no que os outros gostam, e passas a priorizar a tua pessoa. Acredita em mim, através do processo de simplificar a vida, acabas por te questionar sobre o que agrega valor à tua vida? E como podes/queres viver os teus valores?

3. Defines as tuas prioridades

O minimalismo ajuda-te a perceber quais as tuas prioridades, em vez de andar todos os dias a riscar tarefas de uma lista indeterminável. Ter muitas tarefas para fazer e estar sempre ocupada não é significado de produtividade, normalmente, são prioridades mal definidas. Ensinaram-nos que, quanto mais longa a lista e mais vistos tivermos, mais eficientes e produtivos somos. Mas na verdade acabam sempre por ficar tarefas por fazer de uma semana para a outra, ou de uma mês para o outro, o que te leva a sentir assoberbada.

Pergunta-te: “será que algumas vez vou ter tempo para executar esta tarefa? É mesmo importante fazer esta tarefa hoje?” Provavelmente não. Por isso, deixa de fazer longas listas de tarefas e simplifica a tua vida. Estipula apenas 3 coisas que precisas concretizar nesse dia. Essas tarefas vão ser a tua prioridade nesse dia e ao terminá-las vais sentir muito mais feliz e produtiva. Define o que é realmente importante para ti, repensa nas tuas tarefas diárias e deixa de fazer coisas que não agregam valor. O que te faz sentir mais livre e deixas de procrastinar tanto, pois sabes o que tens a fazer.

4. Valorizas o tempo

Ao começar a questionar sobre todas as coisas que são importantes para ti acabas, inevitavelmente, por valorizar mais o teu tempo. Quando destralhas a tua vida eliminas coisas com as quais perdias tempo a arrumar, limpar, organizar. Também passas a gerir  melhor a tua agenda, a eliminar tarefas que não acrescentam valor, a dizer não a vários convites, a evitar compromissos excessivos. Ainda aprendes a criar espaço na tua agenda para tempos livres e para não fazer nada. Como costumo dizer é preciso ter arte para não fazer nada, aprendi com este livro.

5. Preferes qualidade sobre quantidade

Um minimalista não deixa de fazer compras, mas quando as faz prefere comprar um produto de qualidade e investir um pouco mais, em vez de ter em quantidade. Assim não acumula coisas só porque encontrou com desconto. Ser minimalista não é viver com pouco, é viver com o suficiente, para isso tem-se mais cuidado a escolher. Não há espaço para compras de impulso.

Falo em comprar algo, mas posso falar também em ter ou não relações pessoais desnecessárias, em fazer ou não alguma actividade que gosto menos. Por exemplo, prefiro publicar um artigo por semana que tenha qualidade, do que publicar vários artigos e não ter tempo para fazer algo com qualidade. Com o minimalismo aprendes a preferir qualidade em tudo, em vez de ter pilhas de coisas ou demasiadas tarefas a fazer.

6. Libertas-te das pessoas

Quando comecei a questionar as coisas que tinha na minha vida que roubavam-me tempo, comecei a questionar os relacionamentos com algumas pessoas na vida real e mesmo online, nas redes sociais. Também noto diferença na minha própria pessoa e deixou de fazer sentido ter algumas pessoas na minha vida. Simplesmente, porque o minimalismo faz-nos questionar as nossas necessidades e desejos de acordo com os nossos valores.

O minimalismo faz-nos olhar mais para nós e repensar nas nossas relações. Algo que pode ser diferente para cada pessoa, mas com o minimalismo passei a preferir estar mais tempo sozinha comigo mesma, do que com pessoas que não acrescentavam valor à minha vida, a não ser sentimentos negativos e stress. Se uma pessoa com quem mantens uma relação não te faz sentir bem, deixa-a ir…desapega! Rodeia-te de pessoas que gostas, que te inspiram e que te dêem valor. E em primeiro lugar, aprende a aceitar-te e amar-te a ti própria, isso vai trazer melhores pessoas para a tua vida.

7. Aprendes a dizer não

O minimalismo ensinou-me a dizer não a imensa coisa e a palavra não passou a ser libertadora, porque ao dizer não a umas coisas estou a dizer sim a outras, principalmente estou a dizer sim a mimCom o minimalismo aprendes a dizer não a coisas, roupas, itens sentimentais que já não servem mais, para dar espaço e energia para coisas melhores, que te fazem realmente feliz. Aprendes também a dizer não a convites/compromissos com pessoas cuja companhia não te traz felicidade. 

Dizer não pode dar-te mais energia e mais tempo para o que realmente é importante para ti. Aprender a dizer não é saber as tuas prioridades e dar especial atenção a elas e, assim, dar atenção ao que realmente queres para ti. Com o minimalismo aprendes que dizer não, não é egoísmo…é necessário.

Minimalismo é um caminho para a autodescoberta e pode significar muitas coisas diferentes para pessoas diferentes. Somos livres de construir o nosso próprio minimalismo, porque o que é essencial para mim pode não ser essencial para ti. Convido-te a ler o artigo 15 Sinais de que tens um Minimalista dentro de ti e espero que te tenha inspirado para que 2020 seja o ano em que o minimalismo entra na tua vida.

Guarda no Pinterest estas 7 razões para começares uma vida minimalista em 2020, para te inspirares e teres sempre à mão.

7-razões-para-começares-uma-vida-minimalista-pinterest


Acompanha-me nas minhas redes sociais para mais conteúdo sobre minimalismo e vida simples:
instagram | pinterest | youtube | facebook

Previous Post Next Post

Também podes gostar de:

Leave a comment

Deixa um comentário

%d bloggers like this: